Como adequar o conteúdo para diferentes mídias

como-adequar-conteudo-para-diferentes-midias

Ao traçar a estratégia de conteúdo para uma marca é esperado que diferentes tipos de veículos sejam utilizados para potencializar os resultados. Todos nós conhecemos o grau de dificuldade de converter a mesma mensagem para diferentes formatos e o tempo necessário para fazer isso com qualidade. Não é uma tarefa tão rápida quanto parece!

Uma marca pode promover os mesmos produtos e divulgar as mesmas mensagens em diferentes canais, mas é necessário fazer isso de forma diferente – e adequada – para cada plataforma. Jogar o mesmo conteúdo entre mídias com propósitos diferentes é expressamente proibido.

No post de hoje vamos falar dessa adequação nas mídias sociais mais populares entre as marcas: Facebook e Twitter. Aguardem mais posts sobre o tema aqui no Marketing Drops, passando por outras mídias sociais e demais mídias de massa, como rádio e TV.

Twitter e Facebook falam línguas diferentes e envolvem diferentes interesses do público. Aqui vão algumas dicas para ajuda-lo a fazer essa adequação:

1. Linguagem:

– Os objetivos no Twitter são: conseguir RTs e ganhar cliques. Nessa caso, a linguagem deve ser coloquial para gerar empatia e séria o suficiente para merecer um RT.

  • É muito comum que as marcas façam uso de smiles para dar o tom da comunicação. Como temos poucos caracteres para nos fazer compreender, um :) vale mais do que mil palavras.
  • Corte palavras e deixe sua frase o mais enxuta possível, tendo em mente que seu tweet precisa ser curto, objetivo e auto explicativo. Aqui, a grande jogada é saber o que seus seguidores desejam, por que seguem a marca e o que procuram na Internet como um todo.
  • Tenha sempre um link relevante na manga, que deve ser encurtado (use encurtadores como o bit.ly e o midi.as).
  • De preferência, use o call to action (CTA) – uma frase, link ou função que leva os usuários a realizar uma ação. Evite utilizar frases como “Clique Aqui”, isso é genérico demais para significar algo para seu cliente.
  • Perguntas tendem a deixar as pessoas curiosas e podem ser utilizadas para otimizar os índices de cliques (CTR) em seus tweets. Os questionamentos também costumam gerar diálogos dentro do Twitter.

twitter-estrategia

Dica: quem acompanha o Twitter é atropelado por uma enorme quantidade de informações e triar tudo isso requer esforço. Se sua marca twittar conteúdo que pareça uma lista, ele terá maior chance de ser favoritado e retuítado. Ex: “Confira os 10 melhores looks para arrasar em uma festa de Reveillon” ou “Os 100 livros de Marketing que você deve ler antes de morrer”.

Dica Bônus: Deixe pelo menos 10 caracteres sobrando em seu tweet, para que seus seguidores possam fazer RTs com comentários.

– O objetivo no Facebook é: aumentar o engajamento dos fãs com a marca. Nesse caso, o melhor é usar uma linguagem mais envolvente e pessoal, que promova a aproximação e identificação das pessoas com a empresa.

  • Abuse das fotos! De acordo com uma pesquisa realizada pela Hubspot em 2011, atualizações de status com fotos ganham 65% mais curtidas do que aquelas sem imagens.
  • Faça perguntas. É muito fácil acompanhar conversas pelo Facebook, por isso, promova discussões e pergunte coisas aos seus fãs. Se a pergunta for realmente pertinente para o seu público, as chances de compartilhamentos também aumentam, como no exemplo abaixo:

perguntas-facebook

 

  • Seja pessoal ao invés de institucional. O estudo da Hubspot mostrou que publicações com opiniões e citações pessoais no Facebook geraram 20% mais tráfego do que as publicações neutras e corporativas. Quem faz isso muito bem no Facebook é a Mashable, que usa seu CEO (Peter Cashmore) como porta voz da empresa nesse canal. E tem case nacional também, com destaque para a excelente estratégia de conteúdo da Pampers Brasil. Reparem como é uma pessoa, a Camille, quem assina as publicações da Fan Page. Genial!
pampers no facebook

 

pampers-no-facebook

 

  • Segundo estudos de neuromarketing, o Facebook ganhou 20% mais atenção e 6% mais envolvimento emocional do que os anúncios de televisão em 2011. Por isso, se for pertinente à sua estratégia central, faça da sua Fan Page uma plataforma para opiniões, conceitos e valores da sua marca, indo além da simples promoção de produtos. Sim, abrir-se à opinião dos outros pode ser ameaçador, mas se alguém tiver alguma queixa, é possível assumir publicamente e então conduzir o resto da conversa através de mensagens privadas.

2. Frequência:

Twitter: frequentemente

O Twitter é bastante frenético. Pesquisas apontam que a “vida útil” de um tweet é de apenas 3 minutos. Não é fácil precisar o volume de tweets que sua marca deve fazer em um dia, depende muito do “apetite” da sua audiência por informação. Jamais faça qualquer atualização por fazer, tenha sempre conteúdo relevante. Cuidado com o excessos: ouvi em uma palestra sobre Marketing em Mídias Sociais que ao twittar mais de uma vez por hora é possível diminuir os níveis de cliques em mais de 200%.

Use o conteúdo de comunicação de forma emocional. Notícias, informações, eventos e promoções tem forte apelo nessa mídia também. Para auxilia-lo a manter a freqüência alta, agende tweets.

Facebook: pelo menos uma vez por dia

O conteúdo publicado no Facebook tem vida útil muito mais longa do que no Twitter, mas algumas mudanças fizeram o Feed de Notícias mover-se mais rápido para os usuários. O Edgerank – uma espécie de PageRank do Facebook – apresenta as publicações baseadas em uma série de critérios, entre elas a quantidade de interação que a marca recebe e o quão recente é a mensagem. Por isso, se a sua concorrência é acirrada, você terá que postar conteúdo mais frequentemente e com muito mais qualidade para ganhar engajamento.

3. Tamanho e Formato:

Twitter: 140 caracteres ou menos

O Twitter é minimalista, menos é mais. Para deixar espaço para menções e comentários e aumentar as oportunidades de RT, o ideal é usar menos do que o limite. Tweets com 120 a 130 caracteres têm taxas muito maiores de clique. Ser capaz de transmitir uma mensagem em poucas palavras é uma habilidade que as marcas devem dominar. As terríveis reticências que indicam que o post veio direto de outra mídia devem ser evitadas!

Facebook: Entre 4 e 5 linhas

Embora o limite de atualização de status do Facebook não exista, evite escrever demais em uma atualização. Seja suficientemente breve, sem a pressa que há no Twitter. Aqui cabe uma analogia legal: no Twitter escreva como em uma SMS e no Facebook escreva como em um breve telefonema.

Um estudo realizado pela Buddy Media descobriu que posts do Facebook que continham uma média de 80 caracteres e mais um link relevante receberam 27% mais respostas (curtidas, comentários e compartilhamentos) do que os demais. Para facilitar esse cálculo de letras, fica uma dica super simples: evite o “Ver Mais” depois do seu post.

Espero que tenha gostado do post! Até a próxima!

Camila Renaux

Camila Renaux

Consultora de Marketing Digital em Blumenau (SC), especialista em Marketing e em Gestão de Negócios Interativos. Novas mídias, inovação e plataformas interativas fazem parte da sua rotina, assim como o planejamento e a elaboração de estratégias digitais - e suas métricas.

Comentários

  1. […] Por último, deixo a dica de como adequar e adaptar o mesmo conteúdo para diferentes mídias sociais. […]

  2. […] Por último, deixo a dica de como adequar e adaptar o mesmo conteúdo para diferentes mídias sociais. […]

Deixe uma resposta