Como escolher o curso de Marketing Digital certo para o seu perfil e objetivo

No Drops de hoje vou responder a uma dúvida que aparece frequentemente em meus cursos presenciais. Quero começar a trabalhar com Marketing Digital! Por onde começar? Que curso fazer? Que tipo de formação escolher para aumentar as chances de entrada no mercado de trabalho?

Para facilitar a vida, vou dividir os critérios em tópicos e disponibilizar um vídeo diretamente do meu canal no Youtube. Espero que gostem!

Não caia em roubadas.

Não vamos nos ater aos cursos ruins de verdade. Infelizmente, nem tudo que reluz é ouro e pode acontecer de um curso de baixa qualidade ser divulgado como um bom curso e alunos interessados acabarem tendo uma péssima experiência durante as aulas. Na minha opinião, o pior que pode acontecer é a falta de generosidade ao ensinar, se atendo ao lugar comum, sem diferencial.

O objetivo de um curso é instigar os alunos e ensina-los a encontrar um caminho próprio, já que no Marketing não existe receita pronta para o sucesso. Mas, você pode aprender a aplicar técnicas que o orientem a encontrar os melhores ingredientes e o passo a passo para a receita própria de cada empresa.

Dica Marketing Drops: não contrate o primeiro curso que vir pela frente! Questione ex participantes, visite as redes sociais do professor e questione a instituição que está promovendo o curso sobre a ementa e a lógica por trás dela. Se o objetivo for apenas surfar essa onda, caia fora da roubada!.

Cursos práticos versus cursos mais conceituais.

Aqui estamos falando do modelo de treinamento contratado. Nesse momento, é importante ter em mente aquilo que você procura em um curso de Marketing Digital – uma visão mais conceitual e estratégica ou curso mais focado em dicas e na facilitação da aplicabilidade do que é ensinado. Infelizmente, temos pouco tempo para dedicar aos estudos e não é fácil se ausentar por muito tempo da rotina diária para fazer um curso completo. Por isso, pode ser necessário fazer dois cursos complementares, um mais teórico e outro mais prático. O erro mais comum é buscar um curso extremamente prático e rápido quando o aluno não tem base nenhuma sobre a parte técnica e conhece pouco sobre conceitos básicos de branding e marketing em geral. Se esse é o seu caso, invista em curso conceitual primeiro e depois parta para workshops focados.

Para exemplificar esse tópico é interessante comparar os cursos da Martha Gabriel e da Agência Mestre. Ambos excelentes! Porém, a didática da Martha é sempre a de embasar o Digital como um todo, falar de comportamento do consumidor e de marketing estratégico. É um curso excelente para gestores e também iniciantes, que buscam aumentar a densidade do que vivem na web. Já o curso da Mestre é muito mais prático, repleto de ferramentas e dicas para o dia a dia. Vale lembrar que os dois cursos contemplam a teoria e a prática, mas cada um deles tem foco maior em uma das vertentes. Recomendadíssimos!..

Cursos gerenciais versus cursos mais específicos

Assim como no tópico acima, os cursos acabam tendo visões diferentes. Sempre que o nome do curso usar as palavras “gerenciamento”, “gestão” e “estratégias” vale a pena ler com atenção a ementa de aula, porque provavelmente o curso é orientado para gerentes, gestores e para aqueles que buscam uma visão mais holística. Nesse caso o curso não será focado em cada uma das vertentes do Digital e sim, em como conseguir gerenciar tudo que uma empresa precisa para ter sucesso, indicadores de resultado, planejamento, cases, etc. Temos até mesmo MBAs focados em Marketing Digital, como o da FGV e o do I-Group, que também recomendo.

Um exemplo para facilitar: em um curso de Marketing Digital focado para empreendedores e gestores, na hora de falar sobre e-commerce haverá uma conceituação muito maior sobre processos, dificuldades, oportunidades e negócios. Já em um curso mais prático, o tema e-commerce pode abordar ferramentas, dicas de otimização, sugestões de integrações e possibilidade de mídia e promoções.

Dica Marketing Drops: O ideal é quando o professor consegue pincelar os cenários gerenciais e técnicos entre os cursos, fazendo com que todos falem a mesma língua. Fique de olho nos feedbacks e na didática de quem irá ensinar.

Cursos presenciais versus cursos online.

Aqui a discussão não é sobre qualidade e sim, sobre preferências na hora de aprender. Cursos online são práticos e podem salvar a sua vida em momentos de correria no dia a dia, mas se você considerar essencial o networking e a troca de experiências entre alunos, pode se frustar. Minha opção por cursos online só ocorre quando realmente não há tempo – ou dinheiro – para se deslocar até o local do treinamento (geralmente grandes capitais). Valorizo muito a rede de contatos que formamos em um curso e alguns alunos se dispersam mais em casa, em frente ao computador, acabam prestando mais atenção quando estão in loco. Porém, isso é muito pessoal. Experimente um curso online de um professor ou instituição de ensino já aclamados e adeque à sua realidade e preferência..

Tempo de duração, preços e didática.

Nesse tópico reuni os itens que costumam gerar mais dúvidas entre os alunos. Realmente, é difícil avaliar um curso sem tê-lo experimentado antes e confiar na percepção dos outros as vezes dá errado. É como ir ao cinema – aquele filme que todos os seus amigos gostaram pode parecer ruim para você.

Aqui, a dica é cruzar informações e perceber se há lógica no que é apresentado. Por exemplo: um curso de Gerenciamento de Marketing Digital em apenas dois dias é impraticável. O volume de informações é grande e muita coisa terá que ser embasada. Dependendo da limitação de horas/aula, muito terá que ser deixado de lado e isso pode dificultar o aprendizado. Claro que se o curso deixar claro que a didática será de “Intensivo”, tudo faz mais sentido. Fique de olho!

E relação aos professores, instrutores e palestrantes, não temos como fugir de conhecer o estilo e conhecimento de cada um.  É recomendável conhecer mais sobre a produção de conteúdo de cada instrutor. Se você ensina algo, é muito importante que saiba aplicar! Caso contrário, seu discurso vira uma reunião de palavras vazias. Valorizo muito o aprendizado com professores que vivem o Digital e a Internet no dia a dia, porque conseguem se colocar no lugar dos alunos, que sentem na pele os problemas da vida real.

Por fim, vamos falar de preços! Momento difícil, porque preço não é atributo de custo e sim, de valor. Depende da instituição, do posicionamento, do profissional que está dando aula, do local (grandes centros ou pólos regionais) e de muitos outros fatores. No geral, o preço médio de mercado para cursos presenciais de 20 horas é de valores a partir dos R$580,00. Aqui, depende muito! A dica novamente é ver se o curso é o ideal. Se for, o preço é de investimento e esse valor será revertido em boas oportunidades para você!.

Momento Jabá :).


Eu, Camila Renaux, sou instrutora de um curso sobre Gestão em Marketing Digital e Mídias Sociais em Blumenau (SC)
.

A ementa foi baseada em um curso teórico  de 16 horas de duração. Nesse workshop vamos conceituar muita coisa para dar base estratégica aos alunos e apresentar dicas e possibilidades práticas. Através de uma metodologia baseada em planejamento e orientado à métricas de resultado, os participantes poderão ter uma visão geral sobre o Marketing Digital para gerenciar, criar e medir o sucesso de ações de Marketing e Vendas na web..

Camila RenauxAbordaremos ferramentas, métodos específicos, modelos de atuação, estratégias, geração de conteúdo, mídia paga, e-mail marketing e até orientações à respeito dos aspectos legais e promocionais, tanto para organizações que atuam em mercados de bens de consumo (B2C) quanto organizacionais (B2B).

Para quem quiser saber mais e participar, acesse a página do curso sobre Gestão em Marketing Digital e Mídias Sociais com Camila Renaux.

Entenda o Google Meu Negócio e a Busca Local

Google Meu Negocio e Busca Local

Você já se perguntou como vivia antes do Google existir? É engraçado lembrar dos tempos em que havia agenda de telefones, enciclopédias para pesquisa e dicionários para verificar a ortografia. Sim, já vivemos assim! Em tempos de excesso de informação, ser encontrado deve ser objetivo de qualquer marca, empresa ou profissional. 

Na busca por um dentista, por exemplo, é comum que nosso primeiro passo seja procurar no Google para em seguida pedir indicações para amigos através de redes sociais. E para quem não possui site – como a maioria dos profissionais liberais – qual a melhor estratégia para ser encontrado pelo Google?

É aqui que entra o tema do post de hoje: a busca local ou local search. Vamos entender o que é busca local e como ela funciona, o que muda com a chegada do Google Meu Negócio e principalmente, como colocar a sua empresa neste universo. Boa leitura!

O que é busca local?

A busca local tem relação direta com a intenção do usuário e com o contexto que o levou a realizar uma busca. O nome desse movimento é web 3.0, na qual não se pensa mais somente em interação e sim em compreender exatamente o que o usuário quer, com base em linguagem natural e semântica. Um exemplo bem interessante envolve a Copa do Mundo: ao pesquisar por “jogos brasil copa”, o Google direciona o usuário a uma página com horários, grupos e tabelas de classificação. Ele faz isso porque “entende” que buscamos por essas informações, levando em conta a intenção (saber horários) e o contexto (copa do mundo). Percebam como o foco não é mais nas palavras exatas e sim, no que elas significam para aquele usuário.

Para reforçar essa estratégia global,  em 2013 ocorreu a mais importante atualização no algoritmo de busca do Google, apelidada de Hummingbird. Recomendo a leitura desse artigo sobre o tema.

A busca local entrega aquilo que o usuário procura, levando em conta o que está mais próximo dele. É fazer parte da intenção de compra onde ela é possível, geograficamente. Muito se fala de e-commerce e compras a um clique e as buscas locais trazem esse conceito para perto do comércio e da prestação de serviços nas cidades. Não é por acaso que tivemos tantos avanços com o Google Street View!

Faça o teste: se buscar pelo termo “restaurantes” ou “restaurante e o nome de uma cidade”, os resultados trarão endereços e mapas com avaliações de outros internautas e priorizarão aqueles que estão mais próximos a você. É assim que funciona o busca local :)

Google Meu Negócio

Google Meu Negócio

Antes chamado de Google Places for Business, a plataforma de busca local do Google envolvia uma integração total com o Google+. Na teoria isso fazia total sentido, já que a rede social complementa a busca, reforçando o relacionamento com a empresa encontrada através de conteúdo e favorecendo a busca por recomendações e opiniões de amigos. A aceitação do Google+ fez os rumos da rede mudarem e foi daí que surgiu o novo Google Meu Negócio, uma plataforma de permite ao Google dar mais foco aos seus produtos de forma diferenciada.

O que sua empresa pode fazer ali?

  • Manter informações comerciais atualizadas no Google
  • Ajudar a divulgar sua empresa. O Google pode usar as informações comerciais que você forneceu em resultados de pesquisas locais.
  • Ler e responder aos comentários dos seus clientes (AMEI!).
  • Saber como os clientes pesquisaram sua empresa e de onde vieram
  • Fazer upload de fotos em alta qualidade e criar um texto de apresentação mais longo para sua empresa.
  • Utilizar o recurso “Hangouts on Air” para gravar um vídeo dos bastidores da empresa ou da equipe trabalhando.

Criando um Local no Google Meu Negócio

A primeira coisa que você deve possuir é uma conta no Gmail, com login e senha. É através dela que você fará toda a gestão dos dados da sua empresa. Você pode criar a sua clicando aqui.

Depois disso, você deve acessar o portal Google Meu Negócio e clicar no botão “Aparecer no Google”, que fica no canto superior direito. Antes disso, vale a pena ler os breves tutoriais ao longo da página, eles facilitam bastante.

Agora é só ir seguindo o passo a passo. Simples assim! Não tenha medo de editar informações, elas só ficarão visíveis após a confirmação da empresa. Você vai inserir a categoria da empresa (loja, cafeteria, consultório, etc.), endereço, telefone, os horários de funcionamento, website (se houver), fotos e tudo aquilo que o ajudar a divulgar seu negócio.

Por falar em confirmação, esse é o ponto mais delicado. O processo acontece através do envio de um código, chamado PIN. Você pode confirmar o PIN através de correspondência, que chega pelos Correios (tenha o cuidado de fornecer o endereço correto) ou por telefone, em uma ligação gravada que acontece em cerca de 30 segundos após clicar no botão de confirmação (tenha o cuidado de fornecer o telefone correto). Se inserir um número de celular, é ele que aparecerá como telefone do seu negócio nos resultados do Google, fique de olho!

Outro ponto importante: se a sua empresa possuir URA (atendimento automático) você não conseguirá fazer a confirmação por telefone.

FAQ Completo para o Google Meu Negócio: sim, ele pode salvar sua vida :)

Após aproximadamente 15 dias da criação, sua empresa deve começar a aparecer nas buscas de forma consistente. Seja paciente, mas mantenha o foco. Faça buscas de vez em quando para ver como andam os resultados e fique de olhos na área de “Insights” do seu painel.

Uma dica: seja específico na forma de nomear seu negócio e pense na maneira como o seu cliente busca pelos seus serviços e produtos. Lembram do exemplo do dentista? O Google já entende que “odontologia” e “dentista” são termos relacionados, mas tenha o cuidado de não florear demais com termos técnicos que dificultam o processo de ser encontrado.

 P.S: O Bing (buscador da Microsoft) possui recursos fantásticos para buscas locais que devem chegar em breve no Brasil. Também é importante preparar o seu negócio para as buscas locais e móveis, feitas pelo celular. Esses temas não foram esquecidos, e sim guardados para um próximo post, mais completo. Até lá!

Marketing em tempos de crise: como fazer mais com menos

Marketing em tempos de crise: como fazer mais com menos

2016 chegou, e com ele, a expectativa de um ano difícil, com quedas nas margens de lucro e no faturamento. O cenário de complicação fiscal para o e-commerce também vem sendo desfavorável às tentativas de otimismo entre empresários e acionistas. Verdade seja dita, a crise também passa a ser um estado de espírito. Não é incomum escutar coisas como “nunca vendemos tanto e estamos em pleno crescimento, mas sabe como é, a crise está terrível e o ano deve ser duro!”.

O objetivo do post de hoje é compartilhar um pouco do que aprendi sobre “fazer mais com menos” no Marketing, seja através cursos, no dia a dia do meu trabalho como consultora e também com a minha empresa.

Como na Internet tudo pode ser medido, é natural que a atenção dos executivos esteja voltada para o digital e suas métricas de resultado. Por isso, de olho nas dicas para ter sucesso no ano que está só começando e já promete ficar na lembrança dos profissionais de Marketing Digital!

Medir e ajustar

Eu mesma disse acima que na Internet tudo pode ser medido, mas temos que ter cuidado em medir o que realmente é relevante e também em medir o que é certo para aquela estratégia. Não é incomum encontrar empresas que usam estratégias de vendas e medem os resultados com indicadores de presença de marca.

Além da clareza sobre o que medir, é necessário ajustar a estratégia e os objetivos. Se o objetivo a curto prazo era triplicar a receita em determinada região, mas em contra partida o investimento em mídia e em força de vendas foi cortado, já sabemos que o mais natural é que não se alcance o que se espera.

O mais importante:

  • Defina as prioridades e desdobre as estratégias e as ações a partir delas;
  • Não faça cortes olhando o valor total do investimento e sim, a relevância daquelas frentes para o negócio, mesmo que somente a curto prazo;
  • Escolha as batalhas a serem lutadas e evite fazer inimigos somente para ajustar orçamentos, o momento pede muita cooperação e pouca vaidade.

Meu orçamento, orçamento meu

O orçamento – também chamado de budget –  é a prova de que nem mesmo o papel aceita tudo.

Nas grandes empresas o mais comum é que os departamentos solicitem a verba através da defesa de projetos, justificados em planejamentos entregues em meados de setembro. Até o Natal, a Diretoria ou o Conselho, juntamente com o Financeiro, começam a fazer as análises e os cortes.

Em tempos de crise o ideal é que esse processo seja evitado, já que naturalmente haverá um maior desgaste entre toda a cadeia de valor. Quando for possível, o ideal é que o Conselho já sinalize quanto haverá de verba para cada setor, que deve negociar, ajustar e defender o que achar pertinente.

Nas empresas menores o processo é diferente. Não costuma existir um orçamento de Marketing. A cada necessidade ou nova iniciativa o dono se envolve na negociação para garantir que seja possível aplica-la, sem impacto no fluxo de caixa.

Em um cenário ruim em vendas, o ideal é tentar delimitar um orçamento e sinalizar os colaboradores sobre isso. Caso contrário, apostas que não tenham trazido o resultado esperado podem minar a estratégia de um semestre inteiro. Quando não souber quanto pode custar determinada iniciativa, o melhor caminho ainda é a sinceridade. Falar algo como “preciso entender quanto custa um novo site, mas não gostaria que passasse de X reais” tende a funcionar bem. Afinal, é nesse momento que o fornecedor fala se é viável ou não. É normal não confiar no parceiro o suficiente e achar que ele pediria menos sem essa informação, mas geralmente o que acontece é que quando o fornecedor já conhece a verba, tenta propor soluções que se adequam à ela e sinaliza tudo aquilo que é recomendável, mas extrapola o orçamento.

Negocie com respeito

Antes de comentar esse tema, é interessante falar sobre os pré requisitos da escolha de fornecedores e parceiros:

  • Busque indicações, converse com pessoas do mercado e faça benchmarking, inclusive entrando em contato com outros clientes (sempre com ética, respeito e bom senso).
  • Faça de 3 a 5 orçamentos, tomando o cuidado em sempre comparar serviços e produtos através dos mesmos atributos.

Algumas empresas tem em seus valores a negociação agressiva. Após espremer no próprio Marketing, é hora de passar pela prensa da área de Compras. Quando é algo da cultura empresarial, faz sentido. Quando passa a ser estratégia em tempos de crise, o mais comum é que gere desgaste desnecessário.

O ideal é que se converse com parceiros expondo a situação, tendo sempre em mente que não adianta gastar pouco e mal ou de forma insuficiente para alcançar objetivos mínimos. Dessa maneira o profissional de Marketing mantém um bom relacionamento e garante a ética que todas as relações merecem :)

Quem tem equipe tem tudo

Quando os cortes começam, demissões podem acontecer. O clima fica ruim, as conversas de corredor se intensificam e há na equipe aqueles que ficam com raiva, os que tomam as dores, os que desanimam, os que se motivam, etc.

Caso seja gestor, busque ser o mais transparente possível, o mais importante nesse momento é ser – e ser percebido como – um porto seguro e um canal de informação. Na maioria das vezes, a equipe quer somente se sentir amparada, informada e segura.

Caso seja colaborador, exercite o jogo de cintura. Por mais que esteja inseguro (provavelmente seu gestor também está), tente demonstrar uma atitude positiva, pró ativa e multi tarefa. Esse cenário de acúmulo de atividades não será para sempre, entenda isso como um momento difícil, mas também passageiro.

Há poucos dias ouvi de um time de Marketing: “se não for possível custear a primeira inserção de conteúdo no portal, podemos fazer uma força tarefa interna, esse projeto é super importante para nós”. Fiquei arrepiada! Realmente, quem tem equipe, tem tudo!

Investimentos: escolhas nem sempre fáceis

Apesar dos cortes em mídia e anúncios serem comuns em uma crise financeira, não é recomendável ser radical demais. Ajustar as velas é preciso, mas atracar o barco coloca a empresa em uma posição desfavorável frente à concorrência e também na percepção do consumidor. Quem não é visto não é lembrado!

Na hora da crise, o mais importante é investir em projetos que reforcem o relacionamento com os públicos de interesse da empresa (clientes, fornecedores, colaboradores, etc.) e que sejam sustentáveis à médio e longo prazo. Seja um portal, redes sociais ou EAD o principal é compreender se o projeto agrega valor à marca e à empresa. As crises passam, os relacionamentos permanecem!

O melhor aplicativo para ajudar na rotina com bebês

Aplicativo rotina bebe

No Drops de hoje vou compartilhar com vocês os aplicativos para celular que venho usando para ajudar na rotina da minha bebê, a linda Bianca. Para quem acompanha a temática dos meus textos, sem sustos. Já ensinei a montar um blog de casamento com presentes virtuais quando casei. Faz parte do jeito Marketing Drops de ser :)

Como consultora de marketing digital sempre defendi a importância do gerenciamento de recursos (tempo, pessoas e dinheiro) na vida de profissionais e nas empresas. A maternidade tem colocado isso à prova máxima. É eficiência total ou então, você será engolida pela falta de tempo. A privação de sono também não ajuda. Por isso, aplicativos ao alcance da palma da mão tem sido aliados importantes.

Testei muita coisa até encontrar o preferido, boa leitura!

Baby Tracker (IOS)

O melhor aplicativo EVER para quem quer estabelecer uma rotina.

A base do processo de criar uma rotina é a observação, já que a estrutura de horários quem define é o próprio bebê. O Baby Tracker me ajudou muito na hora de observar e entender o ritmo da Bianca e é muito intuitivo porque segue a lógica das atividades dos nossos pequeninos:

baby tracker print

1. Alimentação:

Permite escolher entre as opções de aleitamento, relactação, mamadeira e papinhas.

As funcionalidades são salvadoras porque você pode selecionar o tempo em cada seio, se o bebê ficou nos dois ou só em um, o tempo total de amamentação e claro, os horários de cada mamada. Para os bebês que tomam mamadeira, existe a opção de quantidade de mls.

Cada input de um novo dado traz como opcional uma observação e isso é muito bom! Ajuda demais na hora de lembrar que o bebê dormiu mamando de madrugada, por exemplo.

Independente da escolha, no final do dia, lá estará seu relatório de número de mamadas e quantidade total de leite – podendo ser dividido entre noturna e diurna!

Na tela inicial do aplicativo aparecerá há quanto tempo ocorreu a última mamada, item essencial quando – piadinha interna – alguém questionar “é fome?!” ao primeiro resmungo do bebê.

Se quiser, marque a opção “alarme”, para que o aplicativo desperte quando for hora do bebê mamar. Super útil para os prematuros, que muitas vezes gostam mais de dormir do que de comer.

2. Fraldas

Permite a escolha entre fralda molhada, fralda suja ou mix. Sabe quando o pediatra pergunta pelo número de fraldas e você vive um breve momento de pânico ao tentar lembrar? Seus problemas acabaram!

Essa funcionalidade também é importante para nos ajudar nas transições entre os alimentos e grandes mudanças de rotina, como quando o bebê faz uma viagem mais longa ou toma as vacinas e sofre com as reações.

3. Sono

Minha opção favorita. Minha filha só dormia durante o dia quando os astros estavam alinhados. Eu travava uma verdadeira batalha pelo sono diurno, cada soneca uma vitória. Vivia fazendo contas do tipo “dormiu as 14:23, acordou as 15:05, quanto tempo dormiu?”.

A tela inicial do aplicativo já mostra há quanto tempo o bebê está dormindo e a duração do sono. Para quem deu risada da minha incapacidade de fazer contas básicas, digo em minha defesa que o bebê também chora de madrugada quando você está bem desorientada! E quando você olha o aplicativo e diz que o bebê está dormindo há mais de 6 horas à noite? Pequenos prazeres, meus caros!

Assim que o bebê adormece, você clica no ícone de “berço” e ele mostra a hora atual, deixando desmarcada a opção de hora de acordar, que fica setada com o sinal de “Zzz”. Quando o bebê chora, basta clicar novamente no ícone que o aplicativo marcará automaticamente aquela hora como a hora de acordar, deixando no relatório os dados do sono. Também é possível anotar observações, como – piadinha interna – “acordou porque a visita queria ver o bebê de olhos abertos e ter certeza que é a cara do pai” .

Os relatórios de sono trazem dados como mínimo, máximo e média de horas de sono. Também ajudam muito a nos tirar da paranoia de que o bebê não dorme o suficiente, já que muitas vezes as horas de sono são suficientes, mas acontecem em um padrão incomum, concentradas todas à noite, por exemplo.

Se quiser, marque a opção “alarme”, para que o aplicativo desperte quando for hora do bebê acordar. Super útil para os dorminhocos diurnos, que acabam trocando o dia pela noite e transformando a mamãe em um zumbi.

4. Atividades e Marcos de Desenvolvimento

Aqui tem tudo que você possa imaginar! Desde dados mais comuns como peso, altura e circunferência da cabeça até informações que a gente coloca no diário do bebê: sustentou a cabeça sozinho, segurou um objeto, dormiu a noite toda, deu a primeira risada, etc. Também costumo usar para anotar os horários de banho, passeio, viagem ou visita.

Quando você quer estabelecer uma rotina, é bem importante relacionar se em tal dia o bebê dormiu mal porque viu muita gente ou se mamou mais porque passou por um impulso de crescimento, por exemplo.

5. Diário de extração de leite

Eu não usei, mas é basicamente o mesmo esquema de uso da opção de aleitamento que expliquei acima. Ajuda demais as mamães que tiram leite – seja para seu próprio bebê ou para doar <3

6. Relatórios

Tá certo que sou suspeita, mas quando vi um modelo visual que mostrava a rotina da Bianca eu chorei lágrimas de arco íris. Sou apaixonada por gráficos! Essa opção é gratuita por 15 dias. Para quem, assim como eu, topar pagar para usufruir dessa maravilha, serão os US$4.99 mais bem gastos do período.

É possível ver dados dos últimos 7, 30 ou 60 dias, agrupados por dia ou por funcionalidade. Lindo!

Baby Tracker - Relatórios

Para fechar, mais pontos positivos:

Extra Dim: Possui modo noturno, deixando a tela mais escura para não distrair o bebê a noite.

Export and Sync: Você pode exportar os dados para o Excel, em formato csv e/ou sincronizar os dados com o iCloud e Dropbox. A mãe nerd pira!

Pontos Negativos: Infelizmente, existem! Para mim, o fato de ser todo em inglês dificulta mas não impede o uso. Mas o fato de rodar somente no iPhone e no iPad (IOS) é super triste! Queremos Baby Tracker para demais plataformas já!

Para quem curtiu, baixe aqui.

Dica Bônus: Sound Sleeper e Spotify

Para quem tem filhos sofrendo de cólicas: o ruído branco pode significar momentos preciosos de conforto para o bebê e para a mãe. Para que ficar carregando secador pela casa? O Sound Sleeper tem barulho de mar, de máquina de lavar, rio e até som de útero. Acalma bebês e adultos!

Se você é fã de música, precisa usar o Spotify. Após criar login e senha, você poderá acessar todo tipo de música de forma gratuita e online, qualidade perfeita! Eu já criei várias listas para a Bianca. Tenho a lista do Baby Einstein (música clássica), Balão Mágico, Trem da Alegria, Palavra Cantada e Galinha Pintadinha para dormir, brincar, tomar banho, etc. Acabei descobrindo que ela também adora Chico Buarque, Bossa Nova e Bob Marley, então cada dia ouvimos uma playlist diferente! :) Super recomendo!

Internet, Tecnologia e Crianças

Cuidados para uso de internet por crianças

No post de hoje vamos falar sobre um tema importante para aqueles que em breve se tornarão papais e mamães, assim como eu.

Como usar a tecnologia sem prejudicar o desenvolvimento das crianças e encontrar o equilíbrio em publicações sobre os filhos nas redes sociais? Principalmente, que cuidados devo tomar para evitar os riscos do mundo digital?

Esses cuidados não são importantes somente para proteger os pequenos e com certeza irão auxiliar os adultos a adotarem uma conduta mais segura na Internet.

Uso da Internet:

Segundo estudo da AVG e da Digital Diaries, 81% das mães e pais no mundo postam fotos de seus filhos online. A prática é ainda mais exacerbada no Brasil, onde 94% dos pais a adotam.

Você sabia que entre 3 e 5 anos apenas 15% das crianças sabe nadar, mas 76% usam computadores, tablets e jogam online?

Já entre 6 e 9 anos 62% das crianças participam do mundo digital e 27% das crianças já sofreram com o cyberbullying. Esquecemos que as crianças ainda não estão maduras o suficiente para lidar com a exposição à todo tipo de opinião que as redes sociais propiciam – especialmente as negativas.

Outro dado interessante nessa mesma faixa etária é que 54% das crianças estão no Facebook, apesar disso ser proibido pelos termos de uso da rede social, que permite a participação apenas dos maiores de 13 anos.

Aliás, a razão pela qual a maioria dos sites americanos se destinam aos maiores de 13 anos de idade é a Lei da Proteção da Privacidade Online de Crianças, que regulamenta a coleta de dados dos usuários para que sejam usados para apresentar mídia segmentada, por exemplo.

Neste link estão diretrizes e ferramentas do Facebook para denunciar e bloquear o bullying na rede social.

Riscos:

Em crianças de até 3 anos,  é importante desenvolver a coordenação motora e facilitar a interação ao ar livre. Cuidado redobrado para aqueles momentos em que a TV ou o tablet viram “babás”, deixando a criança quase que hipnotizada por longos períodos de tempo.

Não estranhe a dependência que o tablet ou o video game possam causar, esses dispositivos são desenvolvidos com base em conceitos de simplicidade e usabilidade, para que sejam facilmente operados mesmo que por crianças muito pequenas. Para os nascidos antes da era digital pode ser fascinante perceber a facilidade com que as crianças aprendem a mexer no computador, mas essa percepção leva em conta o referencial de tempos “pré Internet” e também da nossa própria experiência, adultos que quando crianças faziam trabalhos em enciclopédias e usavam listas telefônicas. Sim, havia vida sem o Google.

Cuidados para os pais:

Neste artigo temos uma visão bastante conservadora sobre o tema, postura adotada pela maioria dos pediatras.

A abordagem do artigo é radical, mas é o que se prega em congressos e publicações da área de mobilidade e interação. A palavra “proibido” é dura em tempos de intensa imersão digital, especialmente no nosso convívio diário com smartphones e tablets. Na minha opinião pessoal, priorizar e restringir é diferente de proibir e mesmo assim pode trazer tantas vantagens quanto.

Se o uso de tecnologia for uma forma de estímulo, assistido, monitorado e respeitando os momentos/fases da criança, por que não? Mas, se o tablet vira “babá”, a TV vira sessão de hipnose e o celular uma forma de anestesiar a criança, invertemos os valores!

Uma conduta mais segura na Internet:

O primeiro cuidado que devemos ter é ajustar as configurações de privacidade da rede social para que somente amigos possam ver as fotos, restringindo certas informações. Saiba como neste link.

Evite os exageros. Não tem nada de mais postar fotos de uma festa de aniversário ou evento com família e amigos, mas isso não precisa ser o único tema do conteúdo publicado. Mostrar os filhos quando pequenos pode ser irresistível, mas ainda assim deve-se seguir uma linha de atuação na rede, que leve em conta a “imagem” da criança, dos pais e o bom senso.

Engana-se quem considera a rede social um espaço de exposição de ideias sem consequências, aquela impressão de “aqui eu falo o que quiser”. As informações são púbicas e tem até mesmo valor legal em caso de uma discussão judicial.

É importante entender que o cuidado com a nossa privacidade depende cada vez mais de nós mesmos! A melhor maneira de proteger a própria privacidade é comportamental e não tecnológicaNesta entrevista um criminoso explica como utilizou o Facebook para planejar durante 10 dias o sequestro de uma criança de 9 anos. Em seus perfis os pais da vítima publicavam imagens do interior da casa, da empresa da família e da rotina da criança.

Evite publicar:

Criança Nua ou no Banho: Não há qualquer maldade nisso, mas mesmo que pareçam inofensivas, essas imagens podem atrair redes de pedofilia que agem na deep web, um risco que pode ser facilmente evitado.

Uniforme Escolar: Imagens que facilitam a identificação da escola da criança podem ser usadas em um planejamento de roubo ou até mesmo em um sequestro.

Localização: Cuidado ao ativar sua localização em mídias sociais, especialmente se a publicação incluir fotos. Além de expor a rotina, pode dar pistas sobre o padrão de vida familiar e ambiente de trabalho dos pais. Quanto mais generalista, melhor! Não é necessário ser radical, apenas prudente :)

Constrangimento: Fotos e vídeos podem ser engraçados ao mostrar situações inusitadas, mas no futuro, constranger seu filho. Também corre-se o risco do vídeo ou foto virar o novo meme da Internet. Você gostaria? Como seu filho reagiria?

Fotos com outros amiguinhos: É importante tomar cuidado com fotos do seu filho acompanhado de colegas. Alguns pais não gostam dessa exposição e é de bom tom perguntar antes de publicar ou marcar a imagem em redes sociais.

Se o seu filho já usa a Internet:

– Mantenha o computador em algum cômodo da casa em que as atividades da Internet possam ser acompanhadas de perto.

– Bloqueie sites que você não aprova e que não possam ser visitados pelas crianças por conta própria. Saiba como neste link.

– Não incentive o uso do Facebook, Instagram, Twitter, YouTube e outras redes sociais caso a idade do seu filho não esteja de acordo com os termos de uso.

– Estabeleça um limite de tempo para o uso da Internet, tablets, smartphones e video games.

Aqui neste link você encontra uma cartilha super explicativa e com linguagem acessível sobre Ética e Segurança Digital. Leitura mais que recomendada para os papais e mamães!

 

Espero que tenham gostado!

Até a próxima! :)

 

Entenda o que muda nos novos formatos de anúncio do Facebook

estratégia no facebook

O Facebook costuma testar novos formatos e modificar algorítimos relativos à forma como o conteúdo orgânico e os anúncios pagos são expostos aos usuários. A grande maioria de vocês já deve ter passado por momentos nos quais os números e indicadores mudam, apesar de nada na estratégia de atuação da marca – ou no comportamento do usuário – ter mudado. Esse fenômeno normalmente tem relação com os testes que antecedem as mudanças técnicas na rede social.

O Facebook já lançou oficialmente uma mudança em sua política de privacidade, que nada mais é do que um termo que explica como os dados dos usuário são usados em anúncios ou demais produtos oferecidos aos anunciantes. Neste link você poderá conferir a política na íntegra.

Entenda a política de privacidade:

Nesse documento o Facebook explica que usará nome, foto do perfil e demais informações dos usuários para relaciona-los com anúncios pagos de seus anunciantes. Isso já acontece, mas a maioria das pessoas ainda se choca quando descobre que seu nome e foto de perfil aparecem para demais usuários em anúncios pagos com foco em curtir como “Fulano curtiu tal página” e o botão curtir ao lado, incentivando mais pessoas a também curtir a mesma página.

Neste link está o documento atualizado (ainda em inglês) com tudo que muda, explicado em detalhes. A mudança vai ao ar a partir de hoje, 10 de setembro de 2013. Também recomendo acompanhar o portal Facebook for Business, muitas das novidades que vem por aí serão lançadas por lá. Fiquem de olho :)

Cobrança em Dólares Americanos e Notas Fiscais

O Facebook desabilitará o pagamento de anúncios através de moeda brasileira, o real. As marcas pagarão por seus anúncios em dólares, convertidos diretamente na fatura do cartão de crédito. Ao tentar selecionar a moeda real BRL, o usuário receberá uma mensagem dizendo “essa moeda está indisponível no momento”.

Não é de hoje que muitas marcas passam por problemas ao tentar emitir notas fiscais pelo Facebook. Para anunciantes que investem valores inferiores à R$30 mil por mês, a única informação recebida é um recibo de pagamento por e-mail. Acima desse budget, é possível solicitar nota diretamente ao gestor de conta, mas cabe ao Facebook a decisão de emitir ou não o documento fiscal.

Imagens maiores que geram mais engajamento

Para o Facebook está claro que as pessoas interagem melhor com histórias que apresentem imagens grandes e de qualidade. A partir de agora, o formato de anúncio “Page Post” (aquele que aparece no newsfeed) terá uma imagem de 600 pixels x 225 pixels – 3,5 vezes maior do que o design atual. Essa mudança inclui links (quando o Facebook já “integra” uma imagem de uma URL) e também fotos com link encurtado. Abaixo uma foto dos testes publicados pelo blog Marketing Land:

Novos formatos de anúncio no facebook

Usuários da Nova Zelândia já testam o formato para fotos e também anúncios do lado esquerdo do Newsfeed, quem falou sobre isso foi o blog Adnews.

novos formato de anúncio no facebook

Mesma proporção para imagens desktop e mobile

O Facebook anunciou oficialmente que os anúncios que aparecem na newsfeed terão sempre a mesma proporção (aspect ratio) para fotos, estejam em desktop ou mobile. Isso facilitará e agilizará a criação de anúncios, que antes precisavam ser feitos em blocos: um para computadores e outro para celulares, já que cada meio apresentava uma diferente proporção para as imagens. O número de caracteres apresentados continua diferente, apenas 110 para mobile e até 500 para desktop. Se quiser ganhar tempo, padronize seus anúncios para 110 caracteres para que as reticências (…) não sejam ativadas nos anúncios mobile.

page post link ad facebooko s

Padronização de texto e imagem para diferentes formatos de anúncio

Tanto os anúncios chamados Standard Ads (aqueles que aparecem do lado direito) quanto os Page Post Links Ads (aqueles que aparecem no newsfeed) terão o mesmo padrão para texto e imagem e como dito acima, seguirão a mesma proporção. Antes dessa mudança, o usuário via um anúncio de Page Post Link de um modo diferente do Standard no placement lado direito. Como o Facebook percebeu que o formato Standard performava muito melhor do que o Page Post neste local, apresentará ambos igualmente, o que facilita o dia a dia de quem cria anúncios, já que não precisará mais criar duas campanhas distintas para adequar-se a cada placement.

Espero que tenham gostado do post! Até a próxima!

Manual de Bolso Startup: o que é, o que faz, dicas, conceitos e cases

guia para startups

O que é uma startup?

Startup  (ou start-up) é o termo utilizado para denominar empresas que possuem um modelo de negócio inovador, escalável, repetível e que estão geralmente em fase inicial de atividade, trabalhando em um cenário de extrema incerteza.

Para ficar mais fácil:

– “to start up” é um verbo em inglês que significa o ato de começar algo.

– um modelo de negócio é a forma pela qual uma empresa gera valor para seus públicos de interesse.

– um modelo escalável e repetível é aquele que, com uma mesma estrutura básica comum a todos, vai atingir um grande número de clientes sem haver um aumento significativo dos custos, gerando lucros em pouco tempo. Um restaurante é um exemplo de um modelo pouco escalável, porque para atender mais clientes, precisa ter investimentos e aumentar sua equipe praticamente na mesma proporção do seu crescimento.

Com certeza você está pensando em Internet! É que a revolução dos modelos de negócio altamente escaláveis – e das tais ideias sensacionais – realmente aconteceu quando puderam ser sustentadas pelo alicerce da web. Muitas empresas .com, empresas de software na Internet e empresas com grande foco em tecnologia web possuem essa característica.

Um exemplo bem simples e muito utilizado é da empresa Google. Seu modelo de negócio era inovador porque unia um mercado bilateral em um novíssimo formato, escalável e repetívelEntão por que o Google não é mais uma startup? Porque apesar de tudo isso, ele não é mais uma empresa em início de suas atividades, nem trabalha em um cenário de extrema incerteza.

É muito comum chamarem de startups alguns projetos de e-commerces muito bem sucedidos. Um e-commerce é uma loja, se ela não tem um modelo de negócio inovador, escalável e repetível e apenas usa a Internet como canal de vendas, é um pouco equivocado fazer isso. Mas é muito normal, né?! Todo mundo já leu em algum lugar!

Fundadores e nervos de aço

 

No livro “Startup Playbook“, o autor David Kidder – que é dono de uma startup e também investidor angel* – aborda os segredos do crescimento de 42 empresas, como Linkedin, TED, AOL e Paypal. A conclusão a qual ele chegou vai além do óbvio “conheça seu mercado” e entrega um detalhe importante sobre essas empresas.

O sucesso das startups estudadas está muito ligada aos seus fundadores e ao quanto eles conhecem do mercado. Esses líderes devem acreditar em suas ideias e ser capazes de fazer crescer na cultura da empresa o desejo de superação.

Nota da autora: quando li o livro “Estou com sorte – As confissões do funcionário número 59 do Google” fiquei impressionada com o insight do autor Doug Edwards ao comentar sua percepção sobre os atributos de seus colegas Googlers. Sentia que todos eram inseguros, afinal, um Googler não poderia se considerar genial. Ele tinha que ter dentro dele o descontentamento dos que sentem como se ainda precisassem melhorar – e muito.

startups de tecnologia

Realmente, os fundadores são reverenciados em startups e sofrem muita pressão. Suas empresas vivem inerentes ao risco, que é sua razão de ser. Sem risco, não seriam startups! Cabe ao fundador acreditar em suas ideias e se comportar como um grande líder. Interessante que muitos desses fundadores são retratados como meros geeks, tal qual o jovem Mark Zuckerberg e o ídolo old school Bill Gates. Puro estereótipo!   .

Capital e Investimento

 

Nem todas as startups buscam investimento externo, mas uma grande parte vai em busca de maneiras de se capitalizar. Dá para imaginar o quanto isso é difícil, não dá? O risco é alto, a proposta do negócio, por concepção inovadora, pode soar como uma maluquice e não é incomum que algumas iniciativas sejam frustradas. Mas toda moeda tem dois lados e com o risco não é diferente. Junto dele, vem as perspectivas de ganhos.  É por causa disso que muitos investidores se veem atraídos pelas startups e suas perspectivas de receitas futuras, em curto espaço de tempo. As modalidades de capitalização podem ser:

Públicas:

É uma característica mais brasileira, em países como os Estados Unidos essa modalidade não é tão utilizada. Ela é constituída principalmente pelos programas de incentivo. Um dos mais conhecidos é o  Prime – Primeira Empresa Inovadora, que está ligado ao FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos). No final do ano passado, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação anunciou o Programa Startup Brasil, que prevê o investimento de aproximadamente 8 milhões de reais em empresas nos próximos 12 meses com objetivo de adotar um modelo de estímulo à inovação no país.

Privadas:

Nos EUA, costuma-se brincar que os primeiros “investidores” de uma startup são os 3 Fs: Family, Friends and Fools (família, amigos e trouxas), mas até mesmo aqui no Brasil o cenário já é bem profissionalizado e existem investidores autônomos, grupos organizados e fundos especializados nesse tipo de investimento. O investimento privado costuma ser dividido em outras duas modalidades:

  • Angels:  Angels, ou investidores anjo, são investidores autônomos ou grupos de investidores que têm capital disponível para investir em novos negócios. Em troca desse dinheiro, esperam  um percentual da empresa. Quando se ganha um angel, se ganha um sócio. Ex.: Gávea AngelsFloripa Angels, Jacard InvestimentosSão Paulo Anjos e Bossanova Angels.
  • Fundos de Investimento: Existem diversas modalidades de fundos de investimento para startups e cada um deles pode apresentar um determinado foco de negócio (TI, software, web 2.0, e-commerce, mobile, etc.) e modelo de contrato (sociedade, participação nos resultados, etc.). Alguns exemplos de modalidades são as venture capital, capital semente e as early stage. Para quem quiser conhecer alguns fundos, aqui estão alguns: Confrapar, Venture One, Vox Capital, MADB, Intel Capital e a catarinense BZPlan.

Aceleradoras e Incubadoras

 

Uma incubadora costuma ser o ponto de partida de muitas startups, fornecendo espaço físico, serviços de apoio, treinamento e networking entre empreendedores. Normalmente, são apoiados por verbas públicas e costumam estar ligadas aos governos estaduais, municipais e universidades.

As aceleradoras  são organizações que reúnem expertiseexperiência e não costumam estar tão ligadas à iniciativa pública e sim, à privada. Uma aceleradora oferece mentoringnetworking e faz pequenos investimentos, pelo menos o suficiente para lançar o produto no mercado. Exemplos: Aceladora Supernova, as aceleradoras americanas que estão mirando no Brasil – 500 StartupsFortify.vc e 21212 e também a relação da Associação Brasileira de Startups e do Guia de Aceleradoras da Exame. Para quem busca mentoring, um case sensacional – Floripa Tech, uma aceleradora que incentiva as mentorias para criar uma ponte entre o Vale do Silício e Florianópolis.

Um help para as startups

 

Sempre que converso com donos de empresas startups na Internet, escuto coisas como:

“As incubadoras e aceleradoras me apresentam programas incríveis, como o Business Model Generation. Hoje, eu não preciso somente de um canvas que diga que minha proposição de valor é a simplicidade e que essa é a linha guia de toda a minha estratégia. O que eu realmente preciso é de um suporte para produzir materiais publicitários, meu site, minha logo…”

Com base nesse desabafo, o Marketing Drops apresenta algumas dicas para ajudar no dia a dia corrido das equipes de startups – que sempre são super enxutas. Vou dividi-las em tópicos para facilitar a leitura:

Eventos: neste link temos uma agenda dos eventos já confirmados para 2013, tem desde congressos até a Campus Party. No site Circuito Startup, uma relação fantástica de possibilidades como meetups, tour de negócios, rodadas e eventos online pode ser encontrada. Se salvar em seus feeds, conforme o ano for avançando, você poderá manter uma agenda atualizada.

Livros: além dos exemplos já citados acima, temos essa lista de livros para inspirar os empreendedores.

Repositório de Modelos de Negócio: muitas vezes precisamos de um insight sobre algum aspecto do nosso modelo de negócio e nada melhor do que um bom benchmarking para nos auxiliar. Neste link temos uma relação de startups e o detalhamento dos canvas de cada um deles. Bem bacana!

Temas para estudo: o universo de conhecimento de um empreendedor é muito amplo e envolve, na maioria das vezes, a questão técnica do produto, mas alguns temas são muito bem vindos como companheiros nessa jornada. A maioria em inglês, mas vale a pena ir clicando e fuçando, é o que há de ponta dentro do tema. Exemplos: Hype CyclesLean StartupBusiness Model CanvasCustomer DevelopmentUX designSCRUMInbound Marketing e MVP.

Lançamento de sites e MVP express: uma dor de cabeça a menos na vida dos empreendedores que receberam incentivos como o Finep ou já estão capitalizados. Quando você recebe o capital, precisa aloca-lo em determinados projetos e um deles pode ser um site, o MVP ou aplicativo web. Infelizmente, gerenciar isso consome tempo e energia. A StartupDEV promete entregar o projeto em apenas 2 dias e tem vários cases de sucesso. Não é de graça não, mas tempo também é dinheiro :)

Use social media e crowdsourcing: utilizar o poder viral da web por si só não configura um diferencial para o negócio – seus concorrentes serão portais super consolidados, pertencentes a grandes grupos de mídia e publicidade. De qualquer maneira, a colaboração pode ser sua melhor amiga nessa etapa. Neste post da Hubspot são abordadas algumas ideias bem interessantes.

Cases Sensacionais

 

É muito divertido navegar por listas de startups! São ideias muito criativas e ultimamente os sites dessas empresas são verdadeiros benchs para os profissionais de Marketing Digital (fica a dica).  Infelizmente, quando se vai mais a fundo, muitos modelos de negócio se mostram frágeis e insustentáveis. Apenas uma ideia original na web pode ser um bom modelo para quem tem como projeto montar um blog, por exemplo. Você atrai acessos porque o conceito é bacana e novo, e ganha com publicidade e conteúdo. No caso da empresa, precisa haver um sistema mais consistente de monetização.

cases de startups

Alguns exemplos bacaninhas:

  • Descomplica: site de ajuda aos vestibulandos, com todo o conteúdo que é cobrado nos grandes vestibulares e em provas como o ENEM, em formato interativo. Permite trials e logins gratuitos em determinado nível de acesso (estratégia freemium) e cadastro de professores. Oferece serviços como monitoria, aulas ao vivo, provas resolvidas, questões de vestibular comentadas, correção de exercícios e redação.
  • Nail on Wallplataforma online para descobrir artistas originais e colecionar arte, de uma maneira inovadora e descontraída, em formato de loja virtual. O consumidor pode reservar a obra pela qual tem interesse por até 24 horas. A startup mantém parceria com galerias (atualmente são 40)  e deve faturar mais 500 mil reais em 2013. A receita da empresa vem do comissionamento e agenciamento de artistas, exatamente como funciona no mundo off-line.
  • Emprego Ligado: o modelo de negócio é sustentado pela penetração de mercado dos celulares nas classes C-, D e E no Brasil. A plataforma envia mensagens do tipo SMS para o celular dos candidatos cadastrados no site, divulgando vagas de emprego. A maior parte das vagas é das áreas de telemarketing, varejo, restaurante, limpeza e serviços gerais. A startup é remunerada toda vez que o candidato é recrutado através da empresa, assim como acontece nas agências de emprego comuns.
  • Boaconsulta.me: para quem não tem mais paciência para telefonar para consultórios quando precisa marcar uma consulta médica ou odontológica, o site facilita o agendamento 24 horas por dia, pela Internet. Na pesquisa são listados médicos e especialistas com endereço e horários disponíveis para atendimento por meio de planos como Amil, Odontoprev, Bradesco Saúde, etc. A remuneração da empresa acontece através dos planos e profissionais cadastrados, que pagam mensalidade.
  • Click ARQ: site de concorrência criativa, com foco em decoração, arquitetura e design de interiores. O usuário cria um projeto de decoração para um cômodo da casa/escritório/etc., diz quanto está disposto a pagar e passa a receber projetos de um dos 380 arquitetos cadastrados. O escolhido leva o valor proposto. A remuneração da empresa acontece por comissionamento sobre os projetos vendidos.
  • Emotion.me: um site que ajuda os noivos na organização do casamento. O site oferece planilha de custos, contato com prestadores de serviços, blog personalizado e lista de presentes. Em breve, vão lançar opção de “wedding planner”. O site é remunerado por comissões sobre as indicações de profissionais e produtos.

Espero que tenham gostado do post sobre startups! Ele foi sugerido por uma leitora muito querida do blog. Obrigada pela contribuição!

Até a próxima!

Créditos Marketing Drops: Esse post tem um padrinho mágico – um empreendedor e fundador de startup que conversou com a autora sobre esse universo fascinante. Obrigada, Gustavo Leyendecker! :)

Como fazer um briefing

Como montar um briefing

No post de hoje vou passar dicas sobre como estruturar um briefing de Marketing para a sua empresa, em um passo a passo e roteiro completo.

Definição:

Briefing é um resumo na forma de relatório. Brifar é resumir em linhas gerais a informação que deve ser passada para orientar um fornecedor da sua empresa, na maioria das vezes, a agência de publicidade e propaganda.

Solução dos problemas:

Documente o briefing da sua empresa/marca/unidade de negócio! Mantenha todos os dados em um documento maciço, recheado de informações, e coloque o seu fornecedor para trabalhar. Acredite, a agência vai gostar muito de receber tudo isso e vai suar a camisa para mostrar um trabalho à altura da sua organização. Manter esse registro não significa que o atendimento da agência não deva brifar o job ou campanha, e sim, que você é um gestor de marketing orientado à resultados!

O que um bom briefing deve conter:

1. Um histórico da sua empresa:

Conte tudo, em forma de história mesmo. Fundação, sócios, conflitos, sucessos, cases, mudanças de rumo estratégico, fotos, número de funcionários, etc. Fale da parte subjetiva: explique sua marca, seus esforços de branding, conceito, etc.

2. Público alvo / Stakeholders:

Delimite seu público alvo de interesse, contando em detalhes tudo sobre esses segmentos e explique o benefício que a empresa entrega. Entende-se por benefício os produtos e serviços. Um dos problemas de Marketing pode ser justamente esse: sua empresa entrega só produtos, mas nenhum benefício percebido. Se isso acontece na sua empresa, já inclua aqui.

3. Pesquisas de mercado:

Todas as pesquisas de satisfação, de interesse, de tamanho de mercado e demais vertentes devem entrar nesse item. Se sua empresa monitora mídias sociais, por exemplo, os dados são mostrados aqui. Se não faz nenhum tipo de pesquisa, coloque a informação que seus vendedores trazem. Vendedor sempre traz percepção, ele depende disso. O principal é documentar. Exemplo: meus representantes comerciais do Nordeste informam que o produto X é considerado caro pelos potenciais clientes.

4. Concorrência:

Crie uma lista de concorrentes e em cada um deles, liste em tópicos o que é relevante para seu mercado. Seja assertivo e imparcial, mesmo que doa. Ninguém gosta de falar dos concorrentes e a tendência é sempre ser crítico demais com eles e benevolente com a sua empresa. As fofocas de mercado, aquelas conversas de corredor sobre os movimentos do mercado cabem muito bem por aqui. Ex: a cliente Dona Maria comentou que o concorrente XPTO faz SAC 2.0 e ela é atendida de forma muito mais ágil.

5. Benchmarking:

Nome técnico para as boas práticas dos seus concorrentes – ou empresas que você admira – que podem ser aplicadas na sua empresa. Já ouvi exemplos legais como: “Li na Exame que empresas de software fazem engenharia reversa. Acho que isso pode funcionar na minha empresa de eletrodomésticos”. Viu só? Benchmarking não tem fronteiras.

6. Informações estratégicas: 

Qual a missão e visão da empresa, qual a definição de negócio, análise SWOT, o que sua empresa verdadeiramente vende? Lembre-se que ninguém compra um carro, compra possibilidade de locomoção. Mas quem compra um Porsche pode estar comprando mais que isso, status talvez. Além disso, vale a pena explicar os movimentos da sua empresa, como atingir uma nova região de vendas ou lançar um novo produto. Não precisa ser um planejamento estratégico completo, mas precisa orientar o rumo que deve ser seguido.

7. Detalhamento da Comunicação:

Endereço do site, das mídias sociais, folders, fachada, manual da marca, Relações Públicas, Plano de Mídia, Merchandising, Promoções, Publicidade, ações realizadas e o resultado atingido. Vale contar a forma como a sua empresa gosta de se relacionar com a agência. Muitas vezes a agência quer fazer tudo por e-mail ou à distância e o cliente quer reunião semanal com pauta. Uma dica é falar um pouco do processo, como ocorrem as aprovações, porque determinado job é feito internamente, etc.

8. Objetivos:

Conte o que você quer alcançar. Seja específico. Quer vender mais? Lucrar mais? Aumentar o recall (lembrança da sua marca), fazer branding? Reposicionar sua marca? Atingir um novo segmento? Se você não sabe bem o que quer, provavelmente não vai saber se atingiu o objetivo, não é?!

9. BUDGET:

Quanto minha empresa quer gastar? Qual a verba para novos projetos? Aqui um grande medo é perder o poder barganha, abrir o orçamento e ficar impedido de negociar com o fornecedor. Bom, se você não confia no fornecedor, procure outro. Confiança é palavra chave. Se a sua empresa não sabe quanto gastar vai acabar recebendo uma proposta cara. Sim, seu fornecedor vai errar para cima. Delimite um valor real e que já esteja aprovado. Caso contrário, o Financeiro vai acabar barrando os esforços do Marketing.

10. Prazos e Cronograma:

É urgente? É longo prazo? Delimite previamente como acontecem os esforços de Marketing da sua empresa. Aqui entra a cultura empresarial. Existem organizações que gostam de prazos agressivos e valorizam fornecedores que trabalhem dessa forma. Para outras, tempo e cadência são essenciais. E a sua empresa? Lembre-se dos pilares do sucesso em gestão de projetos: prazo, investimento e qualidade. Formalizar isso garante que você deixou claro que queria “para ontem”!

Mais um roteiro para vocês:

 

Checklist:

Caso não queira se ater ao roteiro, monte o briefing à maneira da sua empresa, mas tenha certeza que respondeu as seguintes perguntas:

1. O QUE estamos vendendo?
2. A QUEM estamos vendendo?
3. ONDE estamos vendendo?
4. QUANDO estamos vendendo?
5. COMO estamos vendendo?

Agora, mãos à obra! :)

A etiqueta do e-mail corporativo

regras para email corporativo

Especialistas em Marketing Digital garantem que o e-mail é um produto em declínio, visto que apenas 11% dos jovens usam este tipo de serviço, dando preferência às redes sociais para se comunicar. Serviços de comunicação não morrem, segmentam-se. Com o e-mail não é diferente, ele é soberano no universo corporativo.

Infelizmente, nosso dia a dia está repleto de gafes e o post de hoje reúne dicas para elimina-las de uma vez por todas! Afinal, como escrever bons e-mails e manter a comunicação alinhada através desse tipo de ferramenta?

Escreva como fala

O que é muito complicado são os conflitos de posicionamento – a pessoa é super informal ao telefone, mas escreve um e-mail repleto de palavras de polidez, como “vossa” ou “venho por meio deste”. Acaba soando forçado. Seja você mesmo! As relações corporativas estão mais flexíveis, permitindo dar mais personalidade para tudo que fazemos. Isso não significa escrever errado, usar gírias ou expressões como “Kkkk”.

Em uma busca rápida sobre e-mails corporativos, uma avalanche de informações como “NUNCA use abreviações em e-mails de trabalho” o atingirá. Não é bem assim! O uso do “vc” já é considerado aceitável na troca de e-mails comerciais em empresas mais informais. Mesmo assim, use o bom senso. Se a empresa é mais formal, adapte seu estilo de fala e escrita à essa característica.

A regra é clara: escreva da mesma maneira que fala, pontuando com vírgulas suas pausas naturais. Essa empatia com o leitor é uma fórmula mágica de conversão!

Um assunto por e-mail

Essa prática irá auxiliá-lo na organização de suas ideias ao escrever. Ficará mais fácil ir direto ao ponto, ser mais breve e delimitar o campo assunto de maneira mais clara.

Outra vantagem é a facilidade de busca. Quantas vezes buscamos por determinados termos em nossas caixas de entrada, na esperança de encontrar e-mails antigos? Ao manter o padrão de tratar somente um assunto por envio, essa engenharia se tornará muito mais simples.

Importante: sempre envie e-mails com campo assunto preenchido! Não vale colocar “Oi” ou “nome da empresa”. Seja específico! Pessoalmente, sigo a regra do gerenciamento de projetos – raiz mais desdobramento.

Se preciso enviar um e-mail sobre uma ação promocional no Facebook que está em lançamento, delimito o campo assunto da seguinte maneira: Ação no Facebook > Lançamento. A maioria das pessoas determina como assunto somente “Ação no Facebook” ou “Lançamento”. OK, sobre o que se trata exatamente? E na hora de buscar?

Siglas Importantes: o que são e como usa-las

Algumas siglas e abreviações são muito importantes na troca de e-mails, é importante que você as conheça. Seu uso é uma escolha pessoal. A seguir, apresento as principais delas e suas aplicações práticas.

O que são:

PSC: Para Seu Conhecimento, pode ser substituída por PSI (Para Sua Informação). Em inglês, usa-se FYI (For Your Information).

ASAP: As Soon As Possible – é a mesma coisa que urgente.

Atte: Atenciosamente.

Cuidado para não cometer o erro comum de escrever “Att.”, assim como fazia a autora desse post até ser informada por uma leitora muito gentil. A abreviatura “Att.” vem do inglês e significa “at this time”.

Quando usa-las:

De uma maneira geral, para ganhar tempo. Muitas vezes, recebemos e-mails encaminhados sem nenhuma informação adicional. Fica aquela dúvida – esse e-mail era para mim? É de muito bom tom, ao encaminhar um e-mail, escrever:

“Olá, Fulano!

Segue e-mail abaixo, PSC.”

Quanto ao ASAP e ao Urgente, uma ressalva. Se você envia todos os e-mails com essa marcação, é fato que muito em breve essa urgência será ignorada. Use-os com moderação, considerando-os um pedido de socorro. Certa vez, ouvi de uma amiga gerente de projetos que ela tinha completo terror de quem escrevia e-mails repletos de “ASAPs” e isso faz sentido – parece que o remetente considera o profissional do outro lado do e-mail um completo irresponsável. Por isso, cautela! :)

Copie todos os interessados no e-mail

Regra suprema do mundo corporativo. Se você está coordenando uma ação que envolve uma agência de comunicação, uma agência digital e uma assessoria de imprensa, copie todos nos e-mails referentes ao tema. Depois, não adianta reclamar que não ficou sabendo de algum detalhe. O e-mail é utilizado como uma prova, uma formalização daquilo que foi acordado verbalmente. Quantas vezes recebemos e-mails que começam com “conforme conversado anteriormente”? Aproveite essa particularidade e use-a a seu favor, sempre copiando todos os interessados.

Garanta a entrega de seus e-mails

Segundo um estudo realizado pela empresa Return Path, 35,5% dos emails corporativos não foram entregues no Brasil, na segunda metade de 2011. É muito e-mail que não aterrissa na caixa de entrada. Nesse caso não tem muito mistério, é confirmar o recebimento com novo e-mail ou telefonema. As vezes, uso o Facebook para confirmar, as mensagens privadas são acessadas pelo celular e costumam ser muito eficazes. Se você está do outro lado, responda! É super simpático responder confirmando o recebimento de e-mails, especialmente se as mensagens tratarem de agendamentos e documentos.

Redação de e-mails longos

Escrever é uma ciência, ir direto ao ponto é uma arte! Evite escrever e-mails com o vício de atualizar o destinatário com todos os detalhes da história, entregue o necessário.

Uma dica valiosa? Entregue também a solução, ou então, a informação mais importante de forma precisa! É muito comum receber e-mails que dizem “preciso falar com você”. E só! Seja mais específico, adiante o assunto, deixe como sugestão um dia e horário para conversarem pessoalmente ou realizarem um call.

Para e-mails longos, use o padrão de blocos. Vá formando blocos de frases, sempre envoltas em muito espaço em branco. Para fechar o e-mail, deixe uma pergunta, forçando o destinatário a responde-lo com algo que comprove que compreendeu tudo aquilo.

Modelo de Blocos:

Saudação: 1 linha saudando o destinatário

Introdução: 2 frases que expliquem o que será falado neste e-mail mais longo

Desenvolvimento: 2 parágrafos separados por 2 espaços (enter) que abordem o tema de forma objetiva e direta. Se forem necessários mais do que dois parágrafos, manter a regra dos 2 espaços, pois eles auxiliam o usuário a manter a leitura e dão a sensação de que o texto é menor do que realmente é. Quando os blocos vão ficando muito volumosos, é possível inserir uma frase curta e de impacto entre eles, para que o leitor tenha uma pausa.

Conclusão: 1 parágrafo curto (até 3 frases) fechando o assunto.

Pergunta Final:  pergunta que arremate o texto e que deixe o destinatário com a obrigação de resposta, essa é uma garantia que ele lerá o texto.

Dica:

Em hipótese alguma use reticências (…) na redação de e-mails profissionais, esses sinais de pontuação exprimem hesitação e não são apropriados para a comunicação corporativa.

Seja educado

As palavrinhas mágicas e regrinhas da boa educação continuam as mesmas, não importa o canal. É desagradável receber um e-mail que não diz nada, somente com campo de assunto preenchido com algum direcionamento, como por exemplo, “templates do blog aprovados”. Não são os 15 segundos de escrever “Olá, fulano. Bom dia!” que vão acabar com o seu tempo. Pedir por favor, falar obrigada, dar parabéns, pedir desculpas, desejar bom dia/boa tarde/boa noite, despedir-se com abraços ou até logo não são regras de bons e-mails, são regras de boa convivência em sociedade.

Aliás, a maneira de despedir-se é mais polêmica. Pessoalmente, sempre me despeço com “Abraços”. Quando já tenho mais intimidade com clientes, fornecedores e parceiros, as vezes me permito uma despedida com “Beijos”, mas depende muito do caso. Não costumo usar “Att.” em meus e-mails, essa não é a maneira como me comunico de um modo geral..

Assinatura de e-mail

É mais que recomendado utilizar uma assinatura de e-mail que contenha dados básicos de contato. Uma boa assinatura de e-mail deve conter:

  • Nome completo
  • Cargo
  • Telefone fixo com ramal
  • Celular
  • Skype e/ou MSN
  • Site
  • Opcional: redes sociais

Espero que tenham gostado das dicas sobre e-mails corporativos!

Até a próxima!

Créditos Marketing Drops: Esse post tem padrinhos mágicos – gerentes de projeto que respiram web e dividiram com a autora suas angústias sobre e-mails. Obrigada Denis Budag, Nadi Genies e Raquel Moritz! :)

Como a tecnologia pode facilitar a sua vida?

palestra para camara brasil alemanha

Nenhum de nós sobreviveria um dia sem tecnologia, isso é fato! A eletricidade, por exemplo, nem nos remete mais a entende-la como inovação. Não vamos à palestras sobre gestão e uso eficaz de energia elétrica porque essa tecnologia já faz parte do nosso cotidiano e de nossa vida. É assim que vamos entender a Internet e as mídias sociais muito em breve!

Foi esse o desafio que a Câmara Brasil Alemanha me apresentou, levar um pouco do entendimento sobre ferramentas tecnológicas ao Núcleo de Secretariado Executivo de Blumenau. Conversamos sobre web, carreira, nuvem, aplicativos e, principalmente, sobre a necessidade de conciliar ferramentas com inteligência.

O grupo, super participativo, trocou experiências sobre tecnologias, hoje obsoletas, que eram pré-requisitos de contratação há poucos anos atrás. Claro que lembramos dos aparelhos de fax! Parece engraçado, mas saber operar um aparelho de fax era um diferencial na carreira das secretárias executivas. Hoje, virou peça de museu. Está aí o grande paradigma de trabalhar com tecnologia: ela muda, sempre e rápido. Foi por essa razão que a palestra foi montada na forma de dicas para o dia a dia, porque em pequenas doses, tudo fica mais fácil.

Compartilho com vocês a apresentação. Até a próxima ;)