Como adequar o conteúdo para diferentes mídias

como-adequar-conteudo-para-diferentes-midias

Ao traçar a estratégia de conteúdo para uma marca é esperado que diferentes tipos de veículos sejam utilizados para potencializar os resultados. Todos nós conhecemos o grau de dificuldade de converter a mesma mensagem para diferentes formatos e o tempo necessário para fazer isso com qualidade. Não é uma tarefa tão rápida quanto parece!

Uma marca pode promover os mesmos produtos e divulgar as mesmas mensagens em diferentes canais, mas é necessário fazer isso de forma diferente – e adequada – para cada plataforma. Jogar o mesmo conteúdo entre mídias com propósitos diferentes é expressamente proibido.

No post de hoje vamos falar dessa adequação nas mídias sociais mais populares entre as marcas: Facebook e Twitter. Aguardem mais posts sobre o tema aqui no Marketing Drops, passando por outras mídias sociais e demais mídias de massa, como rádio e TV.

Twitter e Facebook falam línguas diferentes e envolvem diferentes interesses do público. Aqui vão algumas dicas para ajuda-lo a fazer essa adequação:

1. Linguagem:

– Os objetivos no Twitter são: conseguir RTs e ganhar cliques. Nessa caso, a linguagem deve ser coloquial para gerar empatia e séria o suficiente para merecer um RT.

  • É muito comum que as marcas façam uso de smiles para dar o tom da comunicação. Como temos poucos caracteres para nos fazer compreender, um :) vale mais do que mil palavras.
  • Corte palavras e deixe sua frase o mais enxuta possível, tendo em mente que seu tweet precisa ser curto, objetivo e auto explicativo. Aqui, a grande jogada é saber o que seus seguidores desejam, por que seguem a marca e o que procuram na Internet como um todo.
  • Tenha sempre um link relevante na manga, que deve ser encurtado (use encurtadores como o bit.ly e o midi.as).
  • De preferência, use o call to action (CTA) – uma frase, link ou função que leva os usuários a realizar uma ação. Evite utilizar frases como “Clique Aqui”, isso é genérico demais para significar algo para seu cliente.
  • Perguntas tendem a deixar as pessoas curiosas e podem ser utilizadas para otimizar os índices de cliques (CTR) em seus tweets. Os questionamentos também costumam gerar diálogos dentro do Twitter.

twitter-estrategia

Dica: quem acompanha o Twitter é atropelado por uma enorme quantidade de informações e triar tudo isso requer esforço. Se sua marca twittar conteúdo que pareça uma lista, ele terá maior chance de ser favoritado e retuítado. Ex: “Confira os 10 melhores looks para arrasar em uma festa de Reveillon” ou “Os 100 livros de Marketing que você deve ler antes de morrer”.

Dica Bônus: Deixe pelo menos 10 caracteres sobrando em seu tweet, para que seus seguidores possam fazer RTs com comentários.

– O objetivo no Facebook é: aumentar o engajamento dos fãs com a marca. Nesse caso, o melhor é usar uma linguagem mais envolvente e pessoal, que promova a aproximação e identificação das pessoas com a empresa.

  • Abuse das fotos! De acordo com uma pesquisa realizada pela Hubspot em 2011, atualizações de status com fotos ganham 65% mais curtidas do que aquelas sem imagens.
  • Faça perguntas. É muito fácil acompanhar conversas pelo Facebook, por isso, promova discussões e pergunte coisas aos seus fãs. Se a pergunta for realmente pertinente para o seu público, as chances de compartilhamentos também aumentam, como no exemplo abaixo:

perguntas-facebook

 

  • Seja pessoal ao invés de institucional. O estudo da Hubspot mostrou que publicações com opiniões e citações pessoais no Facebook geraram 20% mais tráfego do que as publicações neutras e corporativas. Quem faz isso muito bem no Facebook é a Mashable, que usa seu CEO (Peter Cashmore) como porta voz da empresa nesse canal. E tem case nacional também, com destaque para a excelente estratégia de conteúdo da Pampers Brasil. Reparem como é uma pessoa, a Camille, quem assina as publicações da Fan Page. Genial!
pampers no facebook

 

pampers-no-facebook

 

  • Segundo estudos de neuromarketing, o Facebook ganhou 20% mais atenção e 6% mais envolvimento emocional do que os anúncios de televisão em 2011. Por isso, se for pertinente à sua estratégia central, faça da sua Fan Page uma plataforma para opiniões, conceitos e valores da sua marca, indo além da simples promoção de produtos. Sim, abrir-se à opinião dos outros pode ser ameaçador, mas se alguém tiver alguma queixa, é possível assumir publicamente e então conduzir o resto da conversa através de mensagens privadas.

2. Frequência:

Twitter: frequentemente

O Twitter é bastante frenético. Pesquisas apontam que a “vida útil” de um tweet é de apenas 3 minutos. Não é fácil precisar o volume de tweets que sua marca deve fazer em um dia, depende muito do “apetite” da sua audiência por informação. Jamais faça qualquer atualização por fazer, tenha sempre conteúdo relevante. Cuidado com o excessos: ouvi em uma palestra sobre Marketing em Mídias Sociais que ao twittar mais de uma vez por hora é possível diminuir os níveis de cliques em mais de 200%.

Use o conteúdo de comunicação de forma emocional. Notícias, informações, eventos e promoções tem forte apelo nessa mídia também. Para auxilia-lo a manter a freqüência alta, agende tweets.

Facebook: pelo menos uma vez por dia

O conteúdo publicado no Facebook tem vida útil muito mais longa do que no Twitter, mas algumas mudanças fizeram o Feed de Notícias mover-se mais rápido para os usuários. O Edgerank – uma espécie de PageRank do Facebook – apresenta as publicações baseadas em uma série de critérios, entre elas a quantidade de interação que a marca recebe e o quão recente é a mensagem. Por isso, se a sua concorrência é acirrada, você terá que postar conteúdo mais frequentemente e com muito mais qualidade para ganhar engajamento.

3. Tamanho e Formato:

Twitter: 140 caracteres ou menos

O Twitter é minimalista, menos é mais. Para deixar espaço para menções e comentários e aumentar as oportunidades de RT, o ideal é usar menos do que o limite. Tweets com 120 a 130 caracteres têm taxas muito maiores de clique. Ser capaz de transmitir uma mensagem em poucas palavras é uma habilidade que as marcas devem dominar. As terríveis reticências que indicam que o post veio direto de outra mídia devem ser evitadas!

Facebook: Entre 4 e 5 linhas

Embora o limite de atualização de status do Facebook não exista, evite escrever demais em uma atualização. Seja suficientemente breve, sem a pressa que há no Twitter. Aqui cabe uma analogia legal: no Twitter escreva como em uma SMS e no Facebook escreva como em um breve telefonema.

Um estudo realizado pela Buddy Media descobriu que posts do Facebook que continham uma média de 80 caracteres e mais um link relevante receberam 27% mais respostas (curtidas, comentários e compartilhamentos) do que os demais. Para facilitar esse cálculo de letras, fica uma dica super simples: evite o “Ver Mais” depois do seu post.

Espero que tenha gostado do post! Até a próxima!

F-Factor > entenda o comportamento de compra interativo

F-Factor: Friends, Fans & Followers (FFF) que influenciam as decisões de compra de maneiras cada vez mais complexas.

O consumo sempre foi e sempre será modulado por fatores sociais, por formadores de opinião e pela aceitação de determinado serviço/produto em um grupo.

O Marketing Interativo vai tornar os processos gerenciais dessa dinâmica eficazes. O primeiro passo é entender como acontecem as etapas de decisão de compra em ambiente de interação:

DESCOBERTA:

Consumidores descobrem novos produtos e serviços

A sensação de pertencimento é um anseio de qualquer ser humano. Nessa busca por fazer parte de um grupo, o que manda é a curiosidade. Somos todos preocupados com o que nossos amigos fazem, pensam e compram.

Alguns aplicativos e plataformas entenderam esse movimento natural e facilitam a busca pelos desejos de consumo de seus amigos, seguidores e fãs.

Conheça alguns cases:

Polyvore: ambiente onde os usuários podem selecionar produtos na forma de “looks”, que são compartilhados em mídias sociais. A rede social fashion.me faz algo semelhante aqui no Brasil. O Polyvore também apresenta as escolhas das celebridades!

Thefind: ferramenta de busca de compras onde os usuários podem comprar o que seus amigos já compram (‘Shop Like Friends’) e também conhecer os gostos e preferências deles através do Facebook.

Nuji: site que ajuda o usuário a descobrir novos produtos, de peças de roupas a obras de arte, selecionados por outros consumidores com gostos semelhantes ao seus!

fuji

GiftFinder: aplicativo que sugere presentes para seus amigos através de um login no Facebook, com base nas informações da página de perfil. Segundo um artigo da Trend Watching, a taxa de conversão é 60% mais alta do que em recomendações comuns!

AVALIAÇÃO:

Consumidores descobrem a opinião de seus amigos sobre aquilo que desejam comprar

Os consumidores pesquisam opiniões sobre produtos que já estão em sua wish list. Pode não ser tão prazeroso quanto descobrir um produto, mas há recompensas sociais na validação de desejos de compra pelos FFF.

Conheça alguns cases:

O projeto do Facebook chamado Instant Personalization (Personalização Instantânea) permite que os usuários vejam conteúdo que seus amigos curtiram ou recomendaram em outros sites. Parceiros “sociais” de peso incluem Bing, Trip Advisor, Scribd e Pandora.

personalização do facebook

facebook

O  Trip Advisor, rede de discussão com foco em turismo e a gigante do e-commerce, Amazon, permitem que os clientes que estejam logados no Facebook vejam as resenhas dos amigos primeiro. Os produtos sugeridos levam em conta aquilo que seus amigos já curtiram.

A Levi’s fez a integração de sua loja virtual com o Facebook, permitindo que os interessados conhecessem melhor os produtos que seus amigos tinham  “curtido” antes.

Quem nunca recorreu aos amigos para tomar uma decisão de compra? Faz muito sentido que isso aconteça na Internet também.

FEEDBACK:

Consumidores pedem aos amigos que validem suas decisões de compra

81% dos consumidores dos Estados Unidos entram na internet para fazer pesquisas sobre produtos, sendo que 55% procuram resenhas de usuários e 10% pedem conselhos em suas redes sociais. No entanto, entre as pessoas que têm entre 25 e 34 anos, a taxa sobe para 23%. (Fonte: Cone Inc, junho de 2010)

Alguns cases interessantes que conceituam muito bem o processo de decisão de compra interativo:

LoveThis: site com foco em user reviews, com dicas e recomendações compartilháveis.

lovethis

Gogobot e Hotel Me: fóruns de discussão de Turismo que ligam o usuário e seus amigos àqueles que são experts em viagens e conseguem passar dicas valiosas para o destino de férias dos sonhos.

MyShopanion: aplicativo para iPhone que lê o código de barra de um determinado produto dando acesso às resenhas recebidas. Tenho minhas dúvidas quanto à aplicabilidade, mas é um conceito arrasador, não é?

Diesel: instalou câmeras que transmitiam fotos de seus clientes provando roupas pelo Facebook, para receber opiniões instantâneas dos amigos. Tudo com consentimento, reforçando a tendência de compras como atividade social.

O modelo de negócio inovador Shopsocial.ly: oferece aos consumidores um ambiente para se conectar aos FFF para compartilhar recomendações. Nessa plataforma você pode fazer uma pergunta sobre um produto e receber os feedbacks. O site faz parcerias com varejistas – seu verdadeiro público alvo – e deixa claro em seu slogan: Deixe os seus clientes fazerem o Marketing para sua loja.

shopsocialy

Apesar de tantos cases sensacionais, fico me perguntando: As marcas estão preparadas para tanta transparência?

Conheça o foco de atenção do usuário nas mídias sociais

leitura-em-F-marketing-drops

Já ouviu falar de heatmapping? É uma tecnologia muito legal que permite saber para onde as pessoas estão olhando em um site, através de áreas quentes e frias. O nome em português – mapa de calor – vem da maneira como os dados são apresentados: como em uma filmagem em infra vermelho, o gráfico apresenta uma foto/filmagem do seu site, em que as áreas nas quais os usuários mais passam o mouse – e por consequência os olhos – são apresentadas em cores quentes como vermelho e laranja, e as menos vistas, em cores frias como o azul e o verde. Os mapas de calor são uma grande oportunidade para orientação de toda a arquitetura da informação e gestão de conteúdo.

Em uma pesquisa encomendada pela Mashable, a startup EyeTrackShop realizou uma pesquisa com mapas de calor nos mais populares sites de mídia social. Eles cobriram uma amostragem bem interessante, incluindo Flickr, tumblr, Reddit, Youtube e Pinterest, mas o foco das análises foram as redes sociais: Facebook, Twitter, Google+ e Linkedin. Confira os resultados!

Facebook

A análise de Heatmap do Facebook mostra que as pessoas passam mais tempo olhando para a foto do perfil e para os dois primeiros posts da página. As informações de perfil, na parte superior da página também tem importância, tal como a lista de amigos. Conforme o usuário move o olhar além da fronteira da metade da página, atenção visual cai significativamente. Fiquei curiosa sobre os resultados na nova timeline, que tem um padrão de leitura em zigue-zague. Provavelmente a modificação levou em conta o comportamento do usuário, que hoje pode olhar dois posts onde antigamente só via um.

facebook heatmap

.

A pesquisa também incluiu uma métrica chamada de fixation order: a ordem em que a maioria das pessoas olhava para as áreas de interesse na página. Curiosamente, a maioria das pessoas no Facebook iniciam a navegação com o olhar no meio da página, onde são postados atualizações de status, e depois olham para o painel esquerdo, onde os amigos estão listados. Sim, o seu conteúdo será mais importante do que quem você é!

Legenda para a ordem de fixação:

  • percentage fixed: percentual de atenção/fixação em cada área
  • average dewell time: tempo de permanência em cada área
  • time to first fixation: tempo necessário para a prmeira retenção de atenção do usuário
  • AOI (Automated Optical Inspection): termo técnico dentro da tecnologia heatmap para área de interesse

 

facebook fixation

Twitter

O padrão de visualização mais notável ​​do Twitter é o quão distante o olho do usuário chega na tela em comparação com outras redes sociais. É mais baixo do que todas as outras! Devido ao ritmo de atualização do tweets, isso não é surpreendente, pois os usuários dessa rede social já estão acostumados a usar um pouco mais a barra de rolagem para acompanhar o stream twitteiro. Fica clara a necessidade de conhecer o seu público no Twitter e compreender os horários de maior interação. Só assim para não ser excessivamente presente na mídia e ao mesmo tempo, manter a conversão em alta.

twitter heatmap

 

3,1 segundos é tempo médio de permanência dos olhos dos usuários no primeiro tweet da timeline, significativamente menor que nas demais redes sociais. Mais uma vez, por causa da mecânica da rede social, os seguidores clicam muito mais rápido, para conseguir acompanhar os próximos tweets.

twitter fixation

Linkedin

É tudo sobre a sua titulação! Por uma amostragem esmagadora, o olho do usuário é mais focado no seu nome e no seu cargo. Tal como acontece com todas as redes sociais, a imagem de perfil recebe um tempo expressivo como centro das atenções, assim como a seção que exibe a educação, as conexões e as recomendações. Os usuários tendem a fazer uma varredura na experiência profissional também, mas o foco é o lugar mais recentes de emprego. Reparem como a lista de amigos sempre recebe atenção, faz pensar sobre a máxima: diga-me com quem andas e te direi quem és! Tenha carinho com suas conexões, elas são importantes.

linkedin heatmap

A maior parte do tempo é gasto no meio da página no Linkedin, para conhecer as informações. Logo após o usuário tende a mover-se até áreas onde são passíveis de tomarem uma ação, como por exemplo: ver se estão conectados, e se não, solicitar uma conexão.

linkedin fixation

Google+

Apesar de ser maior, a foto do perfil do Google+  não atrai tanta atenção como a foto do perfil do Facebook. O maior foco da atenção do usuário é a trinca: nome, slogan e primeiro post. Como em todas as redes sociais,os círculos de amizades são foco de grande interesse.

google- heatmap

Os usuários passam uma média de 5,9 segundos na página principal do Google+, o que é uma média maior do que o tempo gasto no Facebook e Linkedin. Essa diferença pode ocorrer devido ao fato de que esta é uma nova rede social e as pessoas ainda estão tentando entender para o que elas estão olhando e como podem interagir com o conteúdo.

google- fixation

Conclusões

A importância de fotos de perfil é gritante! Dê um rosto às suas contas de mídia social, já que esse é um dos pontos de retenção mais importantes. Dica: use sempre o mesmo avatar para facilitar o reconhecimento. Fotos diferentes fazem com que importantes mili segundos sejam perdidos.

Trabalhe com intensidade a seção superior esquerda da sua página: títulos, nomes, e a primeira atualização de status. Torne mais fácil para as pessoas a identificação da sua marca (mesmo que pessoal), escolhendo um nome fácil e um slogan de impacto.
Apesar das atualizações de status serem dinâmicas, o que está no topo é claramente importante para os visitantes. Por isso, mantenha seus perfis e páginas atualizadas com conteúdo relevante. Você nunca saberá quando um target altamente qualificado aparecerá por ali. Esteja preparado!

Final do Brasileirão nas redes sociais

Final do Brasileirão nas redes sociais

É dia de clássico no futebol e o Marketing Drops não vai ficar de fora!

A disputa pelo pódio do Campeonato Brasileiro entre Vasco e Corinthians acontece também nas redes sociais. O que os times fazem para merecer o título de campeão do Marketing Interativo?

Em 2010, o Timão deu show de interatividade ao lançar a campanha República do Corinthians em parceria com a Nike. Utilizando mecânica de games, o clube oferecia aos torcedores documentos que comprovavam a cidadania corinthiana, como identidade e passaporte, todos emitidos pelo Ministério da Fazendinha. A ação não era somente virtual, os torcedores precisavam retirar o passaporte – com número único – em lojas do time e podiam carimbar o passaporte a cada jogo. Foram escolhidos governadores e um presidente! O vídeo de lançamento dá pistas da produção nota 10, assinada pela F/Nazca.

O Vasco também marca gol de interatividade impulsionado por uma marca parceira, a Brahma. O clube teve destaque ao interagir e informar seus seguidores no Twitter e fãs no Facebook com conteúdo sobre futebol, enquetes e promoções. Segundo a ferramenta Index Social, que avalia o grau de engajamento e audiências nas redes sociais, a iniciativa BrahmaVasco alcança o quinto lugar do ranking nacional de marcas!

Para quem quer saber mais sobre redes sociais e futebol, compartilho uma apresentação muito legal, Futebol 2.0 – o grande campeão:

Nos gramados das redes sociais, quem leva o título é o Corinthians! Em campo, tudo pode ser diferente! Quem será que leva a taça?!

Sem tempo para social media?

Apenas 47% das empresas fazem Social Media Marketing, mas 78% de seus executivos consideram as estratégias em mídias sociais fatores críticos de sucesso. Too busy for Social Media?

Mídias sociais para empresas

A Business Insider traz um artigo muito legal falando sobre esse paradigma. Dá pra agir sempre igual e esperar resultados diferentes? A resposta parece óbvia, mas a verdade é que o dia a dia engole os gestores e funcionários e pensar de maneira holística vira privilégio de empresas que possuem times dedicados exclusivamente ao tema.

Se a sua empresa passa pelo mesmo dilema, aqui vão algumas dicas:

1. A estratégia nunca é de Social Media. Ela é sempre da empresa! Decida o que quer e onde quer chegar e deixe que essa estratégia permeie suas ações em seus perfis nas mídias sociais.

2. Não queira abraçar o mundo! Criar engajamento é isso: comece montando um perfil no Twitter, em seguida estruture o Linkedin, inicie uma FanPage… Em um universo de mais de 100 mídias sociais, há muito o que fazer!

3. Defina um responsável. Alguém curioso, comprometido e responsável. Você não chamaria um estagiário para falar sobre sua empresa em uma entrevista no Jornal Nacional, não é?!

4. Conteúdo!! Nada de “bom diaaaaa” como interação principal em sua FanPage. Aliás, use-as. Perfis são para amigos. Aqui tem um post que fala sobre isso.

5. Ação – estruture um cronograma e seja disciplinado. Vale a pena montar uma política de respostas (aos elogios, sugestões e reclamações) e compartilha-la com todos os funcionários. Lembre-se: uma telefonista é tão importante na manutenção de um cliente quanto o presidente, ok?

6. Monitore! Tenha métricas, conheça o número de interações e use softwares de monitoramento de marcas em mídias sociais, podem ser pagos ou gratuitos. O importante é ir além da @…

A sua empresa é engajada? Produz conteúdo para clientes? Ou está ocupada demais?